Sentença Proferida – Roubo – Condenação – Autos 376/09

Vistos.

NILSON  A.  M., já qualificado nos autos, foi denunciado[1] como incurso no art. 157, § 2º, I, do Código Penal.

O Inquérito foi instaurado por Portaria em 09 de abril de 2009 (fls. 02/03).

Relatório final foi apresentado pelo Delegado João Batista Vasconcelos (fls. 33/35).

A denúncia foi recebida (fls. 40).

O réu foi citado e interrogado (fls. 78).

A Defesa Preliminar foi apresentada (fls. 54/56).

Foram ouvidas a representante da vítima (fls. 50) e três testemunhas arroladas pela acusação (fls. 75, 76 e 77).

Em Alegações Finais (fls. 89/92), o Ministério Público (Dr. Renato Fanin) requereu a procedência da ação penal, com a consequente condenação do acusado nos termos da denúncia.

A Defesa (Dra. Daniela Ferreira da Silva), por sua vez, pugnou pela absolvição do acusado. Alternativamente postulou que seja aplicada a pena mínima (fls. 94/96).

É o relatório.

DECIDO.

No mérito, a ação penal é procedente.

Consta da denúncia que o acusado, subtraiu para si, mediante grave ameaça exercida com emprego de arma de fogo contra Carla, Maria de Fátima  e Jéssica, a quantia aproximada de R$850,00 pertencentes ao estabelecimento Trevo Loterias de Limeira.

A materialidade é inconteste de acordo com boletim de ocorrência (fls.04/05), imagens das câmeras de segurança (fls.30/31) e prova oral colhida.

A autoria é induvidosa.

O réu, em juízo (fls. 78), confessou os fatos. Alegou que cometeu o delito porque não conseguia arrumar emprego e tinha uma filha para sustentar. Narrou que este arrependido. Não se recordou da quantidade de dinheiro subtraído. Esclareceu que não usou uma arma de fogo, e sim uma faca. Declarou que nem chegou a mostrar a faca.

A confissão do acusado é prova significativa, ainda mais quando corroborada pelo restante das provas colhidas.

Carla (fls.75) confirmou o roubo. Reconheceu o acusado na delegacia e em juízo. Informou que estava trabalhando quando o réu, de repente, chegou ao caixa e anunciou o assalto. Viu algo preto em poder do mesmo e acreditou que era uma arma. Entregou o dinheiro ao acusado. Afirmou que o réu subtraiu dinheiro dos três caixas. Narrou que foi levado cerca de R$850,00. Ato contínuo o acusado empreendeu fuga a pé. Acrescentou que o mesmo estava sozinho.

Maria de Fátima de Assis (fls.76) confirmou os fatos e disse que um caixa roubado foi o seu. Reconheceu o réu tanto na delegacia quanto na audiência. Esclareceu que outros caixas também foram abordados. Não viu arma, mas acredita que o mesmo estava armado.

Jéssica (fls.77) confirmou o ocorrido. Reconheceu o acusado na fase policial e em juízo. O acusado entrou no local, foi até outro caixa e exigiu dinheiro. Também foi abordada pelo réu, ocasião em que subtraiu mais dinheiro. Não viu arma, porém o mesmo insinuou que estava armado. Narrou que o acusado empreendeu fuga.

Os depoimentos seguros das vítimas, que nada tinham contra o réu, já autorizam o decreto condenatório.

Com relação às palavras das testemunhas, já se decidiu:

“Em sede de crimes patrimoniais, o entendimento que segue prevalecendo, sem nenhuma razão para retificações, é no sentido de que ‘a palavra da vítima é preciosa, pois, diante de agentes do crime desconhecidos, a sua ânsia é de dizer a verdade quanto ao fato e quanto ao seu autor’ (Julgados do TACRIM, Ed. Lex, vol. 60/323), não mentirosamente incriminar inocentes, a quem nenhuma razão aparente ou concreta, teria para dizeres criminosos” (Julgados do TACRIM, Ed. Lex, vol. 95/268).

Reporto-me ainda ao reconhecimento pessoal do acusado na delegacia (fls. 08, 11, 14 e 17).

Bem provada a responsabilidade do réu pelo delito de roubo.

Releva notar que a “qualificadora” (causa especial de aumento) de emprego de arma de fogo restou cabalmente configurada pela prova oral colhida.

O acusado não trouxe aos autos provas suficientes para rebater o que já estava provado contra sua pessoa.

Impossível, assim, a absolvição.

A prova é segura, robusta e incriminatória.

Será condenado por roubo agravado ou “qualificado”.

O crime é consumado, pois a “res” saiu da esfera de vigilância e disponibilidade da vítima.

Observo que não há nenhum indício de inimputabilidade ou semi-imputabilidade do réu.

DAS SANÇÕES

Atendendo aos ditames do artigo 59, do Código Penal, fixo a pena base 1/6 acima do mínimo legal, tendo em vista que o réu possui outros envolvimentos criminais o que demonstra personalidade voltada para práticas criminosas.

Na segunda fase, reconheço a confissão e a compenso com a reincidência mantendo a pena no patamar anterior.

Na terceira fase, aumento a pena de um terço, em razão do emprego de arma de fogo, situação que facilita o roubo e demonstra maior audácia do agente.

A pena final será de 06 anos, 02 meses e 20 dias de reclusão, além de 14 dias-multa.

A pena será cumprida inicialmente em regime fechado[2], tendo em vista o emprego de arma de fogo, tudo nos termos do art. 33, § 3°, do Código Penal.

Impossível a substituição por pena alternativa.

O crime de roubo agravado revela periculosidade do agente e aterroriza as pessoas honestas, pacatas e trabalhadoras de Limeira.

Tal conduta deve ser reprimida com maior severidade, até porque a Lei de Execução Penal Brasileira é branda e o réu terá direito a benefício em curto espaço de tempo.

DA DECISÃO FINAL

Posto isto e por tudo mais que dos autos consta, julgo procedente a presente ação penal para condenar o réu NILSON APARECIDO MARTINS, já qualificado nos autos, ao cumprimento das penas de 06 anos, 02 meses e 20 dias de reclusão, além de 14 dias-multa, estes em um quinto do mínimo legal, por infração ao art. 157, § 2º, I, do Código Penal.

A pena privativa será cumprida em regime inicial fechado, como já fundamentado.

Recomenda-se a realização de exame criminológico para fins de progressão, em razão da grave ameaça e periculosidade do agente, a critério do Juízo de Execução.

Não poderá apelar em liberdade. Vejamos.

O réu respondeu preso o presente feito e foi aplicada pena privativa de liberdade e regime fechado.

A pena é alta e existe risco real de fuga.

Existe notícia de outros envolvimentos na esfera criminal, conforme folha de antecedentes e apenso próprio.

A necessidade da prisão é medida que se impõe para que não volte a delinqüir e não venha a fugir.

Justifica-se, pois, a prisão preventiva para garantia da ordem pública e para futura aplicação da lei penal, com fundamento nos arts. 312 e seguintes do Código de Processo Penal. Por isso não pode apelar em liberdade.

Seria um contra-senso soltá-lo após ter sido condenado em caso que existe a certeza da autoria, com pena em regime fechado e depois de ter respondido o feito recolhido.

Para ilustrar a possibilidade de prisão em casos como este, vide o seguinte julgado:

“Assim, a prisão preventiva se justifica desde que demonstrada a sua real necessidade (HC 90.862/SP, Segunda Turma, Rel. Min. Eros Grau, DJU de 27/04/2007) com a satisfação dos pressupostos a que se refere o art. 312 do Código de Processo Penal, não bastando, frise-se, a mera explicitação textual de tais requisitos (HC 92.069/RJ, Segunda Turma, Rel. Min. Gilmar Mendes, DJU de 09/11/2007). Não se exige, contudo fundamentação exaustiva, sendo suficiente que o decreto constritivo, ainda que de forma sucinta, concisa, analise a presença, no caso, dos requisitos legais ensejadores da prisão preventiva (RHC 89.972/GO, Primeira Turma, Relª Min. Cármen Lúcia, DJU de 29/06/2007).

É válido decreto de prisão preventiva para a garantia da ordem pública, se fundamentado no risco de reiteração da(s) conduta(s) delitiva(s) (HC 84.658).” (HC 85.248/RS, Primeira Turma, Rel. Min. Carlos Britto, DJU de 15/06/2007). Recurso desprovido. (STJ – Rec.-MS 23.515 – (2008/0092443-5) – 5ª T. – Rel. Felix Fischer – DJe 01.12.2008 – p. 1276)

Recomende-se o sentenciado na prisão em que se encontra, com expedição imediata de mandado de prisão.

Ainda, condeno o réu ao pagamento das custas no valor de 100 UFESPs, nos termos da lei.

Autorizo a expedição de certidão de honorários dos atos praticados.

P. R. I. C.

Limeira, 19 de outubro de 2009.

Dr. LUIZ AUGUSTO BARRICHELLO NETO

Juiz de Direito


[1] Subscritor da denúncia: Dr. Renato Fanin – Promotor de Justiça.

[2]“Tratando-se de crime de roubo qualificado, o regime prisional fechado para o início do cumprimento da pena traduz-se no meio mais eficaz e corresponde a uma resposta social mais efetiva em relação a criminalidade violenta, sendo o único compatível com esse tipo de infração” (TACRIMSP – Ap. 1286817/6 – Rel. o ilustre EVARISTO DOS SANTOS – 9ª  Câmara  – j.  19/12/2001 – v. u. – citado pelo Ilustre Desembargador MOHAMED AMARO em sua obra CÓDIGO PENAL NA EXPRESSÃO DOS TRIBUNAIS, Saraiva, p. 700)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s