JÚRI DE SOLDADOR ACUSADO DE MATAR MULHER – CLIPPING DA GAZETA DE LIMEIRA

Marcado júri de soldador acusado de matar mulher

Por Bruna Lencioni, da Gazeta de Limeira

O Tribunal do Júri de Limeira marcou para amanhã, o julgamento do soldador E.R., 30, acusado de matar a companheira Jasmira Maria de Jesus, de 50 anos, em 27 de dezembro de 2008, por espancamento.

Ele foi pronunciado ao júri popular pelo juiz da 2.ª Vara Criminal, Luiz Augusto Barrichello Neto, em outubro do ano passado.

E., que foi incluso no artigo 121 (homicídio), foi pronunciado pelo magistrado, que acolheu parecer do Ministério Público (MP). O juiz ouviu testemunhas de defesa e acusação e analisou o laudo necroscópico anexado à instrução, além do pedido do MP, pelo promotor Adolfo César de Castro e Assis.

Segundo o juiz, a materialidade do crime “é inconteste, conforme pode ser observado no boletim de ocorrência, auto de exibição e apreensão, exame necroscópico, laudo pericial de local do homicídio, laudo pericial de exame em peça de crime e prova oral colhida”.

Ainda de acordo com o juiz, os índícios foram suficientes para julgar a “autoria de crime doloso contra a vida”. Em juízo, o réu alegou que sempre houve briga entre eles, em razão de bebida, afirmando que deu apenas um tapa em Jasmira e que foi agredido primeiro e que ela havia morrido em decorrência da queda e não da agressão, versão desqualificada por Barrichello.

Ainda de acordo com a sentença de pronúncia, o juiz afirma que o legista atestou a morte da vítima por contusão cerebral, e que as lesões foram causadas por “agente contundente, provavelmente por meio de ação humana, mencionando uma barra de ferro”.

O fato aconteceu no dia 27 de dezembro do ano passado, um sábado, em uma residência do Parque Hipólito. Segundo matéria publicada por esta Gazeta, à época, o soldador E.R. foi autuado em flagrante por homícidio doloso, após agressão contra sua companheira. Ele teria tentado fazer com que vizinhos e policiais acreditassem que Jasmira simplesmente havia passado mal, negando qualquer agressão contra ela.

Publicado originalmente na Gazeta de Limeira de 26 de abril de 2010.  Republicado com autorização da autora

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s